Clube de Leitura – 1.ºB

No âmbito do projeto do 1.º ciclo, Livros que nos fazem crescer – Clube de Leitura, a turma do 1.ºB da escola EB1 da Abóboda 2 desenvolveu a sua versão digital da obra Perfeito para Dois, da escritora Tracey Corderoy.

T.Com apresenta…

O grupo de Teatro e Música do Núcleo de Comunicação da Biblioteca, T.Com, já tem as datas de apresentação para a nova peça, Histórias Trocadas. Nos dias 14 e 15 de junho serão apresentadas quatro sessões para os alunos da escola e uma sessão aberta à comunidade.

O musical é para maiores de 5 anos e recomenda-se o uso de máscara. Não serão permitidas entradas após o início da peça.

Aprender Português

No sentido de apoiar os professores e a integração dos alunos ucranianos e seus familiares, foi criada uma plataforma de ligação a diferentes recursos, que irão facilitar o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa. Aqui fica o endereço:

https://sites.google.com/view/portuguese-for-foreigners/p%C3%A1gina-inicial

Sugestões ou novos recursos devem ser enviados para: rosasgarden@hotmail.com

Tiago Antunes – 1.º lugar no Concurso Concelhio de Escrita  

O Tiago Antunes, do 12.ºA, ficou classificado em 1.º lugar do seu escalão, na final do 1.º Concurso de Escrita Criativa do Concelho de Cascais. A sessão de entrega de prémios aconteceu no passado dia 28 de abril, na Biblioteca Municipal de S. D. Rana e contou com a presença de atores do Teatro Experimental de Cascais, que leram os textos dos alunos premiados. Este projeto, dinamizado pelas equipas das bibliotecas das escolas do concelho, contou com mais de 1000 participantes na fase de escola e foi apoiado pela Câmara Municipal de Cascais. Assim começa o texto do Tiago:

As asas da infância
Quando me recordo da criança que fui, não me lembro apenas de um rapaz normal que brincava com os seus brinquedos e saltava nas poças de água em dias de chuva. Recordo-me de um herói capaz de derrotar qualquer monstro, de um pirata capaz de atravessar os sete mares sem ter medo de se molhar nesses mesmos dias de chuva. Mas, lembro-me principalmente de um pequeno mas curioso explorador, perdido numa ilha deserta cheia de criaturas desconhecidas pela ciência e uma flora ainda mais estranha e perigosa. Esta ilha também era conhecida por parte da comunidade científica como o quintal da minha casa…

Parabéns Tiago!

48 anos do 25 de abril

Paralelamente às comemorações da Semana da Leitura e do Dia Mundial do Livro, a Equipa da Biblioteca juntou-se à evocação dos 48 anos do 25 de abril. Para além duma extraordinária exposição criada por alunos de diferentes níveis de escolaridade, tivemos o privilégio, entre os dias 19 e 26, de assistir a um conjunto de sessões dinamizadas pela Associação 25 de Abril, com o apoio da Fundação D. Luís I, da Câmara Municipal de Cascais. Todos os alunos da escola tiveram a oportunidade de ouvir e conversar com “Capitães de Abril” e presos políticos.

A minha vida dava um LIVRO da minha vida

No dia 20 de abril, na Semana da Leitura, a segunda sessão da atividade A minha vida dava um LIVRO da minha vida, foi dirigida a alunos do ensino secundário que tiveram o imenso privilégio de ser inspirados pela vida de Bhoye Diallo, embaixador da academia Ubuntu. O jovem congolês representa bem o espírito de resiliência e procura de um sentido para a vida.

Partiu da sua terra natal em busca de um sonho e, apesar de terríveis obstáculos, nunca desistiu do seu propósito de estudar e  crescer como pessoa livre. Aqui nos deixou o seu testemunho, a sua inspiração e conselhos que tanto nos emocionaram. Com ele acreditamos que a educação é um direito universal que deve ser respeitado e valorizado.

Sabe mais sobre Bhoye Diallo em: https://youtu.be/MAL-wbM7FPA

A minha vida dava um LIVRO da minha vida

No dia 19 de abril, no âmbito da Semana da Leitura, desenvolveu-se a atividade A minha vida dava um LIVRO da minha vida. Os alunos do ensino secundário tiveram o privilégio de conhecer a professora e escritora Carla M. Soares que nos falou dos seus seis romances publicados e da forma como os livros, que sempre estiveram presentes na sua vida, a desafiaram a tornar-se escritora. A autora contou-nos que, na sua juventude, apreciava sobretudo livros de fantasia que a levavam para um mundo inexistente, mas plausível e confirmou-nos que ler ensina-nos a escrever.

Carla M. Soares nasceu em 1971, em Moçâmedes, Angola, mas cedo veio para Portugal. Desde criança amou os livros, tendo-se formado em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Já professora e mãe, embarcou na aventura de um mestrado em Estudos Americanos – Cultura e Literatura – e obteve uma pós-graduação em História da Arte pela Faculdade de Letras de Lisboa. Encontra-se neste momento a fazer um doutoramento em Estudos Ingleses e Americanos, na mesma faculdade.
Em 2012, viu publicado o seu primeiro título de época, Alma Rebelde, pela Porto Editora, e em 2014 o romance A Chama ao Vento, através da chancela digital Coolbooks. No mesmo ano, publicou O Cavalheiro Inglês, na coleção Os Livros RTP da editora Marcador e, em 2016, com a mesma editora, O Ano da Dançarina. Ainda em 2017, através da Cultura Editora, estreia-se na escrita de romance contemporâneo, com Limões na Madrugada.

Lançou no final do ano passado o seu último livro Gente feita de terra, que conta a história de duas mulheres, mãe e filha, dos anos 60 até ao início do século XXI.
A mãe parte jovem de um Alentejo sem futuro, perseguindo um amor na Angola colonial portuguesa…A filha é uma jovem viúva que habita a Lisboa suburbana do nosso século…
Gente Feita de Terra transforma, num estilo clássico e bem elaborado, as histórias recentes de Portugal e Angola, com as suas violentas atribulações, em sentimentos, sensações, sentidos de uma grande riqueza. Serão os lugares o que as pessoas deles fazem, ou serão as pessoas o resultado dos lugares?

Seguiu-se o testemunho do professor Orlando Dionísio, “especialista em pobreza e exotismo” que nos contou algumas das suas fantásticas viagens cheias de imprevistos e perigos. Não temos dúvida de que estas aventuras davam um livro que já está na gaveta a ser continuamente recomeçado e reescrito.

O LIVRO recomendado pelo professor Orlando foi A guerra do fim do mundo, do Nobel da Literatura, Mario Vargas Llosa.