Carta aos Leitores – Dra. Teresa Calçada, Comissária do Plano Nacional de Leitura

image003

“Aos Leitores

Ler é um prazer. Mas só para alguns. Para quem cresceu entre livros, por exemplo, e conquistou, a cada página lida, o gosto pela leitura. Ao mesmo tempo, descobriu que cada livro guarda dentro outros mundos, outras pessoas, outros lugares, outros tempos, outras memórias, outras formas de ser, de estar, de sentir, de comunicar, de rir… E essa descoberta, intimamente ligada à preservação da capacidade de espanto que caracteriza a infância, terá sempre alimentado a vontade de continuar a ler. Por prazer, não por obrigação.

Não é muito diferente do que acontece com outras atividades que preenchem o nosso quotidiano, como comer ou fazer exercício físico. Comer pode ser um prazer, para quem desde cedo aprendeu a distinguir o sabor dos alimentos; fazer exercício físico também pode ser um prazer, para quem cresceu a fazer cambalhotas e pinos, a jogar à bola e a correr atrás dos amigos. É certo que todas estas atividades, sendo à partida naturais, implicam depois uma decisão e uma prática. No caso da leitura, essa decisão e essa prática dependem, muitas vezes, de quem nos rodeia: das famílias, dos amigos, dos professores… Se quem nos rodeia tiver a capacidade de nos contaminar com boas leituras, leituras que alimentem a nossa curiosidade e estimulem a nossa imaginação, de certeza que cresceremos leitores.

É também esse o momento em que se torna fundamental o papel do Plano Nacional de Leitura, fornecendo coordenadas para que a leitura se torne um prazer, isto é, sugerindo livros capazes de entusiasmar não apenas os que já são leitores, como aqueles que ainda não são. Funciona como um mapa, útil em qualquer viagem, sobretudo em viagens por territórios desconhecidos, e pode ser usado para orientar leitores de todas as gerações. Assim como para dar pistas para que as famílias e os professores saibam o que partilhar com os leitores mais novos, e até entre si.

Essa troca — de professores com alunos, de famílias com professores, de pais com filhos — é essencial para formar leitores e para, no meio das dezenas de livros que são diariamente publicados em Portugal, distinguir os melhores. Só deste modo será possível criar uma rede em que os livros, escolhidos por especialistas, possam circular pelas mãos dos leitores, os que já o são e os que se tornarão. A leitura implica essa prática. E essa conquista.”

Dra. Teresa Calçada, Comissária do Plano Nacional de Leitura 2027

Livro do Mês – setembro

Esta é a história de ANNIE, uma menina que foi abandonada num orfanato de Nova Iorque quando tinha somente alguns dias de vida.

 

annie

Ao longo de 11 anos, ANNIE aguardou, cheia de esperança e otimismo, pelo regresso dos pais. Até que um dia, cansada dos maus-tratos e da exploração da maléfica diretora Hannigan, decide fugir e perseguir o seu sonho: encontrar os pais.

Sozinha numa Nova Iorque bastante afetada pela Grande Depressão, em 1933, a corajosa ANNIE vai deparar-se com situações extraordinárias, como o encontro com Sandy, o cachorro que se torna o seu melhor amigo, ou a súbita amizade com o milionário Oliver Warbucks, que vai mudar o rumo da sua vida.

            DIVERTIDO e COMOVENTE!

NÃO PERCAS!

 

O Grupo de Teatro da escola (T.Com) vai levar a cena uma adaptação original desta obra, de Thomas Meehan. Se estiveres interessado(a) em participar contacta a coordenadora da biblioteca, a professora Teresa Freitas.