Jornal CreAção nº47

Já saiu o jornal CreAção! Com 56 páginas, contou com uma equipa de 14 jornalistas efetivos (11 alunos e 3 professores) e 55 colaboradores, alunos e professores.

Aqui ficam os Temas de Capa e o Editorial…

jornal 47a

Esta é uma edição mista, em tempos “normais” e “anormais”… O acesso à escola foi interdito, mas a escola continuou e alunos e professores continuaram a pensar, a resolver problemas, a escrever, a contar e a ler histórias. Porque somos humanos, porque precisamos de histórias para nos inventarmos e reinventarmos e precisamos todos que esta história tenha um final feliz…está difícil, está a ser muito exigente para todos. A escola precisa de olhares, de sorrisos, de presença. Máscaras deixemo-las para o teatro, para o drama pessoano, nós queremos ver-nos, sem medo, sem hesitações. Precisamos da conversa, do diálogo, da presença física, do abraço.
Em tempo de pandemia a biblioteca não fechou, nem fisicamente (assim que foi possível esteve aberta para apoiar os alunos do ensino secundário) nem virtualmente. O blogue esteve vivíssimo com as histórias da Teca que desencadearam criativas e divertidas atividades, “A menina do mar” não se perdeu, reinventou-se num formato diferente (vídeo livro). Via plataforma zoom, o “Chá com Letras” não deixou de se realizar, Desconhecido nesta morada foi a obra que despoletou uma enriquecedora discussão sobre o comportamento humano e as condicionantes socioeconómicas que o moldam.
Os nossos alunos mais crescidos foram interpelados a refletir sobre estes tempos, escrevendo sobre a pandemia e formas de mudar o mundo e os mais pequeninos do 6.º ano foram desafiados a refletir em conjunto sobre as suas origens, tradições e a importância que a família tem na identidade de cada um. Mas os textos não se constroem apenas pela palavra, a imagem é também expressão do tempo e os alunos de artes do 12.º ano recriaram graficamente estes dias de quarentena e as novas rotinas que ela forçou a criar.
Quando estávamos na escola e podíamos sair, fomos até Itália, no âmbito do projeto Erasmus +, uma experiência extremamente enriquecedora que nos deu mais mundo, mais paisagens, mais afetos, mais consciência ambiental e cívica e mal imaginávamos que esta zona de Itália seria a primeira a dar o grito de alerta numa Europa ameaçada. A viagem à Roménia foi cancelada, mas havemos de lá ir! Outras viagens foram infelizmente adiadas como a visita a França ou ao sudoeste alentejano, mas ainda pudemos dar um salto a Portalegre para mais uma sessão do Parlamento Europeu Jovem que selecionou três dos nossos alunos para a sessão nacional a realizar-se…para o ano. A feira das ciências e o sarau desportivo, a representação do grupo de teatro T. Com foram outros grandes adiamentos… mas cá vos esperamos! Interessa lembrar o que se realizou: a apresentação de propostas para Orçamento participativo Jovem de Cascais; a Semana dos Afetos ( nunca imaginámos que aqueles abraços tinham de durar tanto tempo); a fase concelhia do Concurso Nacional de Leitura, com mais uma vitória ( André Pina) e um adiamento ( fase distrital).
Porque a leitura e os seus sentidos fazem muito sentido continuámos os dez minutos a ler, divulgamos livros entre os mais pequenos e mais crescidos, o projeto Viva a Biblioteca continuou a fazer crescer os nosso meninos enquanto cidadãos, o Projeto livro de leitura do 4.º ano fez da expressão escrita uma rotina e um prazer, a banda desenhada animou todo o agrupamento, e não esquecemos a solidariedade com uma recolha de livros para Moçambique porque não basta debater temas cruciais como Transformar o nosso mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento sustentável( Encontro Regional da Rede das Escolas Associadas da UNESCO em que o AEFGA participou) , há que agir, participar nessa transformação.
É para isso que trabalhamos tentando responder a José Tolentino Mendonça, ( jornal Expresso de 18.04.2020) quando nos interpela sobre aquilo em que nos tornaremos como indivíduos e comunidades. Queremos que os alunos AEFGA compreendam “que estamos no mesmo barco e que só há futuro na cooperação e na implementação de outros modelos de existência coletiva” e que face ao dilema moral “nós ou eu” optem pela primeira pessoa do plural que somos e que precisamos de ser hoje, mais do que nunca.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s